MoboReader> Literature > Novelas do Minho

   Chapter 18 No.18

Novelas do Minho By Camilo Castelo Branco Characters: 4885

Updated: 2017-12-04 00:03


Poucos dias depois, o juiz de fóra de Barcellos incumbia ao ordinario do julgado de Vermuim a pris?o do desertor Joaquim da Costa Araujo, d'alcunha o Faisca. A gente mais grada de Famalic?o, convencida da riqueza do avarento sem entranhas, advogou a favor do infeliz mo?o, rodeando o pedreiro com rogos e até com insultos e amea?as. O pedreiro, assustado, foi ter-se com seu compadre o coronel Lobo da Igreja Velha; e, bem aconselhado pelo fidalgo, cujo credor era, deu o dinheiro necessario para abafar o processo militar, comprar a baixa e substituir a pra?a no regimento.

Em seguida, quando se viu esbulhado das economias que amealhara antes de herdar as trez mil pe?as, entrou-se de tamanha paix?o-espicassaram-no tantas saudades do seu dinheiro, que morreria abafado, se n?o desafogasse no odio ao filho. As vinte e quatro moedas de oiro que lhe custara a liberdade de Joaquim, representavam fomes e sêdes, desconfortos de frio em noites de inverno, muitos suores em dias de estio no trabalho da serra a horas de sesta. E lembrava-se com bastante remorso que sua mulher padecera sem cirurgi?o e morrera sem botica, e f?ra indigentemente enterrada, tudo isto assim desgra?ado e infame, porque elle n?o quizera bolir n'aquellas vinte e quatro moedas.

No entanto, Joaquim, bem que muito grato ao pai, n?o se mostrou t?o penhorado que prescindisse de o julgar obrigado a dar-lhe modo de vida. O velho mostrou-lhe um ferro de monte, um pico, um camartello, e disse-lhe:

-Se queres modo de vida, segue o meu. Anda d'ahi brocar uma fraga, e saberás quanto me custaram a ganhar as minhas vinte e quatro…-E, ficando entallado, esfregava os olhos debruados de r?xo com o encodeado canh?o da jaqueta.

O filho n?o se compadecia d'aquellas lagrimas; antes se sentia bravejar de condi??o com remoques e até com odio á avareza do pai. Máo foi convencer-se Joaquim da heran?a, e suppor que o velho podia morrer sem testamento nem declara??o do escondrijo do thesouro.

Debalde lhe espiava os movimentos, os olhares, as caminhadas no monte, afim de farejar a lota das tres mil pe?as. Bento d'Araujo ia frequentemente quebrar esteios de pedra nos penhascaes de Vermuim e vendia-os aos lavradores para especar parreiras. As desconfian?as do filho seguiam o velho entre fragoedos, chamados o Castello; e o pai, que se julgou espreitado, alegrava-se secretamente, e n?o se mostrava offendido.

Entretanto, continuára Joaquim a sua velha affei

??o a Rosa de S. Martinho; e, confiando que a fama da riqueza do pedreiro seria bastante a que o abastado lavrador, esperan?ado na heran?a, lhe cedesse a filha, pediu-a affoitamente; mas o pai de Rosa tinha mediana confian?a em sapatos de defuncto, e disse que só daria sua filha, se o noivo trouxesse mil cruzados em dinheiro ou terras. O mo?o namorado abriu de novo o seu peito ao pai, que parecia apertar os cord?es da bolsa á medida que o cora??o do rapaz se abria. Joaquim, bem aconselhado pelo seu amor, soccorreu-se do padrinho, o coronel da Igreja Velha, pedindo-lhe que movesse o velho a dotal-o.

Era o fidalgo a unica pessoa que exercia influencia em Bento de Araujo, e tamanha que podera arrancar-lhe alguns mil crusados a juros, sob juramento de n?o dizer a alguem que lh'os devia. Mandou-o chamar, e aconselhou-o a que désse dote a Joaquim. Avultou lhe as funestas consequencias da sua teimosia em querer passar por pobre, quando toda a gente estava convencida do contrario; pintou-lhe os perigos em que elle punha o filho sem officio que o salvasse da camaradagem de vadios suspeitos com quem patuscava nas tavernas da Lagoncinha e outros logares infamados. A final, como o velho insistisse desaforadamente em dizer que n?o tinha sen?o o dinheiro que seu compadre lhe devia, o coronel rendeu o com esta honrada delibera??o:

-Pois bem: tudo se arranja, querendo Deus e tu. Devo-te tres mil crusados; n?o t'os posso pagar, em quanto algum dos meus filhos n?o trouxer esposa com dote; mas irei tirar quatrocentos mil réis a juro em alguma Confraria, e esse dinheiro vaes tu dal-o a teu filho para casar com a rapariga, que é de boa gente, e hade ter dobrado ou mais do que elle tem.

As ultimas palavras de Bento, n'esta pendencia, definem cabalmente a sua natureza. Quando o compadre lhe disse:

-Tu virás de hoje a oito dias receber os quatrocentos mil réis para os dares ao teu Joaquim no acto da escriptura de casamento-Bento acudiu impetuosamente:

-Eu n?o quero vêr o meu dinheiro! Arranje v. s.^a cá isso, de modo que eu n?o veja o meu dinheiro!…

Elle sabia que, no acto da contagem dos mil crusados, seria capaz de agarrar a sacca e fugir com ella do escriptorio do tabelli?o.

Assim mesmo, o pedreiro, se tinha muitas maldades de avarento, possuia tambem algumas bellas qualidades de pae; e uma, digna de bastante memoria, é que, tendo elle em casa arsenico para matar os ratos, n?o o administrou ao filho.

Free to Download MoboReader
(← Keyboard shortcut) Previous Contents (Keyboard shortcut →)
 Novels To Read Online Free

Scan the QR code to download MoboReader app.

Back to Top

shares